domingo, 27 de novembro de 2011

Esposa sendo FODIDA por SEGURANÇA DO HOTEL

Esposa loira transando com segurança do hotel nos corredores, detalhe que no final quase são flagrados por outros hospedes:
Esposa desenibida, safada, oferecida e muuuito exibicionista é tudo de bom!

sábado, 26 de novembro de 2011

Esposa loira MUITO BEM FODIDA por um negro

Uma bela esposa, safada, loira e no cio, com um amante negro, que todos saber nós cornos mansos sabemos que elas adoram.


domingo, 20 de novembro de 2011

Filme perfeito: COMEDOR BEM DOTADO, esposa PUTA SAFADA e marido CORNO MANSO

Logo, mas vale cada segundo! Seja você comedor, corno ou esposa!


EXATAMENTE COMO QUERO VER A DOMADORA, PUTA, SUBMISSA e GOZANDO MUITO! E eu? Eu é claro apenas a obedecendo!

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Comedor faz esposa se descobrir PUTA e marido MANSO: Parte III (FINAL)

Como eu disse antes, esse conto me fez perceber o quanto queria ser corno. Imaginei e imagino minha esposa até hoje encontrando um comedor que faça exatamente o que esse moleque fez com o Esposa desse corno!
Impossível ser mais corno que isso!
Conto longo, mas vale cada minuto "perdido"...

LEIA TAMBÉM A PARTE I
LEIA TAMBÉM A PARTE II

Nós dois nos encontrávamos na copa. Fred me sentou numa cadeira e me fez chupar seu pau ali mesmo, até ficar duro novamente. Encaixei o pau dele entre meus seios _ era simplesmente demais ver aquele cacete enorme entre meus seios_ e movimentei meus seios para cima e para baixo, fodendo seu cacete com meus peitos. Amparei aquela cabeçorra com a língua toda às vezes que ela surgiu entre meus seios.
Ele me mandou ficar de pé perto e apoiar os cotovelos na mesa, deixando minha bundinha bem arrebitada e desfrutável, e lambeu minha buceta e meu cuzinho ao mesmo tempo. Quando eu já estava alucinada e completamente molhadinha, ele se levantou e encostou aquela cabeçorra no meu cuzinho. Fiquei assustada, tentei sair, mas ele era muito forte, e eu estava totalmente dominada naquela posição. Era assustador sentir aquele pauzão forçando passagem no meu cuzinho, mas sem poder fazer nada, resolvi ver até onde eu suportaria aquilo. Fred começou a foder meu cuzinho, movimentando bem devagar. Era incrível, mas aos poucos foi entrando. Não parecia que aquilo era o tão temido sexo anal, que eu e meu marido tomávamos tanto cuidado ao praticar. Cheguei a ficar mais relaxada, mas logo que eu tentei acompanhar seu ritmo dando uma reboladinha, percebi o quanto eu estava errada. A sensação foi tão forte que me arrancou um grito. Foi um daqueles: “AAAAAAAHHHHHH!”, que sai entalado, digno de um filme de terror. Descobri também que tinha cometido um erro ao dar meu rabinho para o deliqüentizinho numa posição tão desfrutável como aquela. Fiquei mais uma vez entregue aos caprichos do garoto.
Alex escutou meu grito, e apareceu sorrateiramente na porta do quarto, e o sacana do Fred percebeu que ele nos olhava.
_ Venha aqui cara, tenho algo para te mostrar!!
Quando Alex veio em nossa direção, Fred começou desferir fortes golpes, que castigava sem piedade meu cuzinho, que estava totalmente vulnerável. Tentando amenizar a força das estocadas dele, fui ficando na ponta dos pés, até que eu praticamente subi em cima mesa. Alex parecia assustado em me ver naquela posição, e dando aqueles gemidos roucos e sofridos. Quando cessou o ataque fulminante de Fred, meu marido se aproximou, e visivelmente sem graça me perguntou:
_ Tudo bem amor?
Fred me puxou de cima da mesa e perguntou:
_ Ainda acha que eu sou viado Alex!? _Meu marido não disse nada, só se aproximou mais, e quando viu o pau de Fred cravado no meu cuzinho, ficou olhando com cara de bobo.
Sob o olhar do meu marido, Fred impôs uma deliciosa e perturbadora rotina na transa. Ele ia fazendo um movimento lento de vai e vem, mas às vezes ele dava umas estocadas vigorosas, e só parava quando eu conseguia fugir das investidas dele subindo na mesa. Dando risada, como se aquilo fosse uma brincadeira, Fred me puxava para baixo novamente e iniciava todo processo. Não sei quantas vezes fizemos isso, só sei que levar aquelas estocadas fortes no cuzinho, e só ter o vidro da mesa para se agarrar, foi a experiência mais louca e desesperadora da minha vida. Era uma luta desigual e num momento de puro delírio gemi e gritei como nunca, e meu escândalo foi como um fósforo na gasolina.
Alex que já estava totalmente confundido ficou ainda mais consternado; Fred enlouqueceu de vez. Ele me puxou para o chão, com uma mão levantou uma das minhas pernas, com a outra segurou nos meus cabelos, e continuou a foder meu cuzinho. Enquanto isso, ele insistia em perguntar a Alex: “Ainda acha que eu sou viado?”. Alex praticamente com o rosto entre minha bunda e o corpo do rapaz respondia desesperado: “você não é viado, cara... Olha só o estado que você deixou minha mulher,... Você não é viado...”. Ele também me mandava chamar Alex de corno, mas a única coisa que eu conseguia, era ficar tateando a mesa em busca de algo para agarrar. Gozei com o pau dele entrando profundamente e saindo totalmente do meu cuzinho. Foi o mais longo orgasmo de minha vida, e o ponto sublime da nossa transa. Fiquei dominada por aquele gozo arrasador. Parecia que aquela sensação não tinha fim. Alex tinha se entregado totalmente em seus devaneios e continuava a viajar. Meu marido dizia: “você (Fred) é demais cara. Já virou minha esposa do avesso, gozou no rostinho dela e agora ta arrombando o cuzinho. O que falta mais?”. Vendo Alex daquele jeito, e Fred com aquele sorriso de vitória em deixa-lo naquelas condições, não me contive e disse a Alex:
_ Bem feito pra você, eu falei que esse cara é comedor...Você não acreditou!
Olhei para Fred, e ele estava nas nuvens. Troquei com ele um olhar e um sorriso de cumplicidade, e continuei a satisfazer seu ego.
_ Você é um menino muito mal Fred...muito mal...
_ E o seu marido, o que é? _ Fred olhava dentro dos meus olhos, quase que transmitindo as palavras que ele queria que eu dissesse. Fiz uma expressão como se tivesse de dar o braço a torcer e disse:
_ Corno... _ pude notar a mudança do semblante de Fred, e para colocar mais lenha naquela fogueira de vaidade _ ...Você fez ele de corno.
Segurei o queixo de Alex e disse:
_ O garotão te fez de corno né amor!?
Fred como num ataque de fúria, me fodeu num ritmo totalmente selvagem e insano. Ainda bem que foram poucas as investidas dele, pois logo ele deu um urro e gozou. Quando ele tirou aquele cacete enorme de dentro de mim, senti como se estivesse oca por dentro. Pelo comentário do meu marido imaginei o estrago: “Nossa... olha só como ficou!” Fred deu um verdadeiro banho na minha bunda. Fiquei com minha bunda escorrendo porra por todos os lados. Eu não conseguia ficar em pé, e Alex ao invés de me ajudar, ainda estava em plenos caprichos de sua imaginação. Ele passava a mão na minha bunda espalhando a porra de Fred, que se misturava com meus pelinhos e dizia: “olha só o que você fez com minha mulher”. Tive que dar um grito com ele: “cala a boca Alex, deixa de ser corno e me ajude”, só assim ele acordou e me amparou. Fred começou a rir daquela cena jocosa.
Eu e meu marido fomos para o banheiro, tomamos um banho demorando, e aos poucos fomos voltando a realidade. Nós não falamos nada, mas era evidente que nenhum dos dois acreditava que aquele garoto tinha nos deixado naquela situação.
Já estávamos no carro para ir embora, quando meu sobrinho que tinha acabado de voltar do clube, veio se despedir de mim. Olhei na beira do lago e vi Fred junto com os outros rapazes. Pelos gestos de Fred e pelo clima de comemoração da turma parecia que ele contava sua proeza aos amigos.
No outro dia cedo, fomos embora da cidade. E num clima de ressaca, ainda não falávamos sobre o dia anterior, e parecia que nunca mais íamos tentar qualquer tipo de aventura parecida. Dias depois, passado o arrependimento inicial, eu e Alex demos muita risada dos delírios um do outro. Mesmo assim achamos que passamos um pouco dos limites.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Comedor faz esposa se descobrir PUTA e marido MANSO: Parte II




Como eu disse antes, esse conto me fez perceber o quanto queria ser corno. Imaginei e imagino minha esposa até hoje encontrando um comedor que faça exatamente o que esse moleque fez com o Esposa desse corno!
Impossível ser mais corno que isso!

Conto longo, mas vale cada minuto "perdido"...

LEIA TAMBÉM A PARTE I

Meu marido se jogou no sofá perecendo estar desacordado. Eu lhe perguntei se estava tudo bem, mas Alex ficou calado, só balançou a cabeça. Fred veio até mim e me tirou do lado de Alex. Voltamos a nos beijar, e agora nossas línguas pareciam disputar qual era a mais ávida. Tudo isso com meu marido bem ali do nosso lado. Fred me levou para o sofá e me sentou no colo dele. Eu ainda estava um pouco zonza, mas até meu porre tinha sarado. Meu coração estava a mil. O tesão aumentava cada vez mais, e eu já não sabia como terminaria aquela loucura. Alex então deu uma remexida no sofá. Reagi soltando Fred, que me segurou pelo braço e disse de forma ríspida: “Deixa essa mane de lado”. Fui até meu marido, que ainda parecia desacordado. Então veio a surpresa. Alex me abraçou e começou a me beijar. As coisas se inverteram, agora eu beijava meu marido e Fred olhava. Daí para frente as coisas esquentaram para valer, pois sem aquela atmosfera de estar fazendo algo errado, eu me senti aliviada e mais tranqüilizada.
Meu marido ainda cambaleando ficou de pé e disse para Fred:
_ Vou te dar uma aula de como foder uma gata como a minha.
Alex tirou seu pau e mesmo pensando “que loucura!”, eu avancei. O garoto não disse nada, só ficou olhando. Chupei Alex como nunca tinha chupado antes.
Já sem nenhuma inibição e queimando de tesão, mandei Alex se sentar, coloquei meu biquíni para o lado e sentei no seu delicioso cacete. Minha buceta estava tão molhadinha, que o pau dele entrou todo. Alex deu uma alfinetada em Fred:
_ Fica bonzinho garotão que eu deixo você olhar, e se quiser pode até tocar uma punhetinha.
Aquilo era demais. Comecei a pular em cima de Alex. Ele segurou com força minha bunda para controlar os movimentos, mas eu tirei suas mãos e continuei cavalgando. Pulei com uma doida em cima do meu marido, por mim eu ficava o dia todo naquela posição, mas de tanto ele insistir, fiquei de quatro em cima do sofá. Mesmo assim continuei jogando o corpo contra o pau dele. Naquela posição eu podia encarar Fred e com olhares insinuantes provoca-lo ainda mais. Alex colocou seus dedos na minha boca, e lambendo seus dedos, eu disse para provocar Fred:
_ Gostaria de ter um pau de verdade em minha boca!
Aquilo estava realmente uma loucura e totalmente sem controle, mas minha intenção era só provocar o rapaz, porém Alex sem hesitar disse a Fred, que parecia esperar sua aprovação:
_ Dá para ela o que ela quer garotão,... Ou esta com medo?
Senti meu rosto pulsando quando Fred se aproximou e na frente do meu rosto, enfiou a mão dentro de seu calção, e de lá sacou um belo e enorme cacete, que apontou direto para meu rosto _ existe coisa, mais excitante para uma mulher que ver um cacete apontando para seu rosto?_. Segundo meu marido, ele pensou que eu iria só ameaçar chupa-lo, e tudo ficaria por isso mesmo. Mas isso nem se passou pela minha cabeça. O que fiz foi avançar naquele pauzão como uma predadora avançando na direção da caça. Segurei com as duas mãos aquele cacete gostoso e aveludado. Fiquei até mesmo sem saber por onde começar a saboreá-la. Lambi toda extensão do pau dele. Deslizei minha língua das bolas até a cabeça apreciando cada centímetro daquela maravilha. Nem me lembrei que meu marido estava ali atrás de mim. Só ouvi uma ou duas vezes ele sussurrando meu nome. Meu marido estava paralisado. Ele disse depois, que só conseguia ver minha cabeça se movimentando, e como não acreditou no que estava acontecendo, ele simplesmente parou de me foder para tentar me ver chupar Fred. Eu ainda jogava o meu corpo em direção ao pau do meu marido e chupava o rapaz, mas em determinado momento eu também parei, e só me dediquei a chupar o pau de Fred. Alex segurou-me forte pela cintura e começou a me puxar contra seu pau, numa tentativa de me fazer voltar o movimento. Mas eu estava tão concentrada em Fred, que sem dizer nada, abandonei meu marido. Fui para entre as pernas de Fred que estava sentado no sofá, e continuei a chupa-lo. Só parei quando fui interrompida por Alex, que visivelmente perdido e transtornado me ofereceu seu pau também. Chupei os dois alternadamente, mas estava nítida a minha preferência por Fred, que ganhava chupadas mais longas e fortes. Alex chegou a me segurar pelo cabelo, para que eu dedicasse mais tempo a ele. Eu nem percebi que aquela era uma tentativa desesperada do meu marido para participar da transa, e continuei a dar uma exclusividade ao garoto. Comecei ali uma verdadeira sessão de tortura em Fred. Eu lambia e mordiscava delicadamente o pau do garoto, e depois o sugava com todas as minhas forças em curtos intervalos, só para ver o seu rosto de desespero. Senti-me plena em finalmente dominar aquele garanhão, que ao invés daquele arrogante ar de superioridade, agora tinha uma expressão de subjugação. Meu marido disse que naquele momento ele ficou totalmente tomado por um tesão e por um ciúme arrebatador. Alex praticamente me arrancou de Fred, e me mandou deitar no sofá. Ele ficou perto de minha cabeça e me deu seu pau para que eu o chupasse. Enquanto isso, Fred se posicionou entre minhas pernas. Eu quase desmaiei de tanto tesão ao sentir a presença dele. Com delicadeza ele começou a lamber a minha buceta. Meu marido tinha perdido totalmente a compostura. E parecendo estar completamente fora de si, voltou a provocar Fred:
_ Ta sentindo o gosto do meu pau na bucetinha dela garotão!? _Fred novamente não disse nada, só continuou a me chupar.
O tesão tomava conta de mim. A cada momento, eu parava de chupar meu marido, e ficava só olhando aquele gatinho lindo lambendo minha buceta. De súbito Fred começou a sugar meu clitóris com força. Minha reação foi jogar a cabeça para trás e dar um gemido bem alto, extravasando todo o tesão que eu sentia. Alex ficou com os olhos arregalados em me ver daquele jeito. E se as coisas já tinham fugindo do nosso controle, foi nesse momento que tudo ficou totalmente caótico. Eu já não me agüentava mais, e criei coragem para fazer o que já era inevitável. Levantei-me, e diante da perplexidade dos dois, principalmente do meu marido, empurrei Fred para o sofá. Fiquei de costas para ele, e deixei claro que eu queria cavalgar naquele pau maravilhoso.
_ Vou acabar com você gatinho. Depois de mim você nunca mais será o mesmo!
Depois de duas ou três tentativas, eu consegui encaixar o pau de Fred em minha buceta. Bem devagarinho, eu fui rebolando em cima dele. Rebolei e remexi em cima da pica do rapaz, até que minha buceta o engolisse todo. Alex procurando seu lugar naquela situação ficou em minha frente, para que eu o chupasse, e enquanto eu fodia Fred, eu podia me deliciar com meu marido. A sensação de dominar aqueles dois machos ao mesmo tempo, só não era maior que a de estar sendo rasgada pelo pau do garoto. Ao mesmo tempo em que eu cavalgava em cima de Fred, eu chupava meu marido. Alex aceitava numa boa a minha dominação, mas o rapaz segurando com força minha bunda, me levantava e me fazia descer com força em cima de seu pau. Começamos uma verdadeira guerra, pois ele tentava impor aquele movimento a todo custo, e eu insistia em tirar suas mãos e a rebolar em cima dele, tentando valer minha vontade. Como se não bastasse, no meio dessa loucura, meu marido que mais uma vez perdia minha atenção, pois eu estava mais preocupada em tentar retomar as rédeas da transa do que nele, praticamente me obrigava a chupar seu pau. Lutamos por um bom tempo, mas eu já estava exaurida e aos poucos Fred tomou conta da situação. Meu marido naquela altura dos acontecimentos tinha se transformado definitivamente num mero coadjuvante na cena. Ele só pôde ficar olhando, quando Fred, segurando com as mãos na parte debaixo das minhas coxas, me tirou os pés do chão, abriu totalmente minhas pernas, e me deixando praticamente suspensa por seu pau, começou a me foder. O pau dele estava todo cravado em mim, e com aquilo tudo dentro de minha buceta, a sensação era de estar sendo divida ao meio. Sentindo-me toda arreganhada, eu gemia como uma louca. Aos poucos ele foi aumentando a força, até que literalmente me lançava para cima e me amparava com o seu pau, me fazendo perder de vez o controle. Aquela mistura de medo e tesão foi tomando conta de mim, até que eu entrei em desespero, e como se estivesse num transe hipnótico, comecei a implorar de uma forma quase que infantil para Fred parar. Já Alex estava de boca aberta, e me vendo enlouquecida, e me debatendo de um lado para o outro em cima de outro homem, não sabia se eu realmente queria parar, ou se aquilo eram apenas meus delírios. O garoto continuou inexorável, e sem se importar com minhas suplicas, me lançava para cima como se eu fosse um brinquedo. Meu marido disse que eu subia e descia, como se eu estivesse em cima de um cavalo bravo. Aquela loucura parecia não ter fim e minhas suplicas em cima dele eram inúteis, pois ele só parou quando suas forças se exauriram. Para mim a trégua veio a calhar, pois eu já estava totalmente sem forças e principalmente sem fôlego. Fiquei alguns instantes tentando me recuperar do efeito arrasador que aquela loucura causou em mim. Quando tentei sai de cima, Fred passou os braços em volta de mim, e movimentando vigorosamente os quadris, recomeçou a me foder. Recebendo aquela verdadeira rajada repentina de pica na minha buceta, voltei ao meu estado de delírio. Comecei a gemer continuamente, e meus gemidos também seguiam a mesma cadencia trepidante do movimento. Fred arrancou meu top e libertou meus seios, que já saltaram para fora dançando no ritmo daquele movimento louco. Entrei num alucinante processo de gozo, e o que me restava para extravasar todo meu tesão, era gemer e gritar. Fred que estava em silencio até então, aproveitou para provocar meu marido:
_ Ta calado porque cara? _ Alex me vendo gritando e gozando daquela forma em cima dele, parecia estar em outro mundo _ Não esquenta, fica tocando uma punhetinha, que eu já devolvo sua esposa.
Eu ainda gemia e me contorcia em cima de Fred, quando num movimento de destreza, sem tirar seu pau da minha xoxotinha, ele me segurou na posição de “carregar noiva”, e ficou olhando dentro dos meus olhos com um sorriso bem sacana. Alex vendo aquela cena, propôs uma pausa. Eu também achei que aquela era uma boa hora para retomarmos o controle da situação, e ia sugerir que Fred me deixasse tomar um fôlego, mas antes que eu pudesse concluir ele me jogou para o lado. Do jeito que eu cai no sofá, fiquei, pois estava toda mole e sem forças. Enquanto Fred me penetrava na posição que eu me encontrava, de ladinho, Alex, quase que invocando seu direito de marido, pedia para ele lhe ceder o lugar. Fred concordou, mas antes deu-me uma serie de estocadas, que me arrancaram gritos. Meu marido deitou do meu lado, todo tremulo. Quando ele me penetrou, seu pau entrou com facilidade, devido ao “estrago” que o pau do garoto tinha feito em mim. Meu coração parecia que iria saltar pela boca. Fred ficou de pé nos olhando, eu não conseguia parar de contemplar aquele corpo musculoso, todo coberto de suor, e principalmente, aquele pau ereto e imponente que apontava para mim. Ele nos olhava de forma depravada, parecia estar se recuperando e tramando algo ao mesmo tempo. Até meu marido sentiu minha reação, quando o rapaz veio em nossa direção com aquele seu jeito de moleque que vai fazer uma travessura.
Fred ficou bem perto de minha cabeça. Fiquei olhando aquele cacetão reluzente de baixo para cima, e tentando descobrir o que aquela cabecinha suja tramava para mim. Eu nunca estive tão submissa na minha vida. Olhei para o rosto dele, enquanto tinha minha boca invadida novamente por seu pau. Ele parecia estar cheio de más intenções. Meu marido não dizia nada, só ficava com seu rosto junto ao meu, e com uma respiração ofegante às vezes sussurrava: “Acho que ele vai gozar no seu rosto!”.
Fred com os dentes cerrados segurou minha cabeça e começou a forçar-me a fazer um movimento de vai-e-vem com o pau dele quase todo na minha boca. Tive que me esforçar para não engasgar. Ele me segurando pelos cabelos, começou a surrar meu rosto com seu pauzão. Era como se alguém me batesse com um braço no rosto. Cheguei a ficar com medo, pois ele estava cada vez mais agressivo.
_ Coloque sua lingüa para fora! _ ordenou ele.
Obedeci, e com os olhos fechados, continuei levando uma surra de pica. Eu podia sentir o peso do pau dele batendo em minha língua.
O que aconteceu a seguir foi simplesmente demais. Meu maridinho gozou, gemendo bem perto do meu ouvido e nesse mesmo momento, Fred disse:
_ Vai ser no sua cara. Vou encher sua cara de porra!!
Ajeitei-me no sofá, pois queria o melhor ângulo para receber a porra dele. Realmente foi um final apoteótico para nossa transa. Um jacto de porra veio em minha direção como um chicote e açoitou meu rosto de um lado a outro. A seguir outros atingiram meu rosto varias vezes e em todas direções. Tive que fechar os olhos, mas eu podia sentir os riscos e pingos quentes de porra por todo meu rosto. Ficamos os três sem ao menos nos mexer, até que cessou definitivamente o bombardeio em meu rosto.
Alex respirava ofegante no meu ouvido; eu admirava aquele pau delicioso latejando em minha frente; e Fred com olhos fechados tinha um ar de satisfação plena. Exauridos, curtimos os três aquele momento. Vendo os dois satisfeitos, me senti no meu momento de glória. Peguei a camisa de Alex para limpar meu rosto e Fred disse, olhando para nós dois com um sorriso mordaz:
_ Puxa! ...Olhe só para vocês...foi mal!... _ por um momento achei que ele estava fazendo tipo, mas Fred dando risada continuou: _...Dá uma olhada no rosto do seu marido. _ olhei para Alex e só então entendi o motivo das chacotas de Fred.
Nem eu, nem Alex tínhamos percebido, mas como ele estava com o rosto do lado meu, quando Fred gozou, tinha levado uma bela de uma esguichada de porra em seu rosto também. Não agüentei em ver meu marido, todo confuso, com um sorriso sem graça e com porra escorrendo pelo rosto dizendo: “Que foi... Que foi?!”. Limpei o seu rosto, antes dele sair em disparada para o banheiro, mas não me contive em rir. Fred também dava risada, deixando evidente que ele tinha feito aquilo por traquinagem.
Fiquei conversando com ele por um tempo na sala. Eu parecia uma boba, pois só conseguia exaltar a virilidade e a potencia de Fred. Resolvi ir a até o banheiro para dar uma olhada em Alex, e saindo da sala comentei: “nossa de pensar que Alex te chamou de viado”. Fred veio atrás de mim, me pegou pelo braço e perguntou:
_ Então ele disse isso!? _mais uma vez ele me olhou com cara de quem vai aprontar.

continua...

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Comedor faz esposa se descobrir PUTA e marido MANSO: Parte I




Esse conto me fez perceber o quanto queria ser corno. Imaginei e imagino minha esposa até hoje encontrando um comedor que faça exatamente o que esse moleque fez com o Esposa desse corno!
Impossível ser mais corno que isso!
Conto longo, mas vale cada minuto "perdido"...

O Conto abaixo é de autoria de: Claudia
Meu nome é Cláudia, tenho 31 anos, e sou casada há sete. Meu marido se chama Alex e tem 32. Nós dois somos formados em Educação Física e somos donos de uma academia de ginástica. Ele cuida da parte administrativa, e eu dou aulas junto com outros instrutores. Obviamente me esforço muito para manter meu corpo devido a minha profissão, mas também porque adoro me sentir gostosa e atraente, e por isso sou muito vaidosa e rigorosa comigo mesma. A única coisa artificial em mim é o tom dos meus cabelos, um louro amanteigado. Fora o buttery blond, o meu biótipo curvilíneo é totalmente natural: busto médio (94cm), quadris largos (100cm), estilo “cintura de vespa” (57cm).
Eu e meu marido adoramos sexo. Foi ele que me apresentou a esse mundo maravilhoso do prazer. Alex sempre foi um amante excepcional. Ele descobriu minha tendência ao exibicionismo e me incentivou a explora-la. Foi numa brincadeira num posto de gasolina. Aquelas coisas de deixar a calcinha aparecendo para o frentista, e fingir que não percebeu o intrometido. O que era brincadeira foi virando rotina no nosso relacionamento. A partir daí criamos um jogo de provocação, onde só eu e Alex podia jogar. Os “escolhidos” eram simples espectadores.
Era um jogo bem simples e extremamente excitante. Nós dois saiamos, geralmente à noite, como dois caçadores. Escolhíamos o lugar e nossas “vitimas”. Estudávamos todas as possibilidades e limitações da ocasião, e só então partíamos para o ataque. Com a nossa presa sob nosso jugo, e já satisfeitos com o resultado de nossa caça, eu e Alex saíamos do local com a mesma rapidez que abordávamos a “vitima”, e deixávamos o coitado “a ver navios”. Nossa noite sempre terminava com uma transa incrível.
Esse jogo era também perigoso, pois o grande prazer era sempre avançar um pouco mais, e chegar cada vez mais perto de nosso limite. Por isso as regras eram bem definidas. O cuidado que tínhamos em escolhermos o lugar e a hora para essas nossas loucuras, era uma das principais. Também tomávamos o cuidado para não perdemos o controle da situação, e nunca deixávamos ninguém ultrapassar nossos limites. Quem quisesse entrar no nosso jogo, teria que jogar com nossas regras.
Foi assim que conduzimos nosso relacionamento durante muito tempo, mas nas nossas ultimas férias de verão, vivemos uma aventura bem diferente de tudo que nós tínhamos vivido até então, e que colocou uma nova ordem no nosso relacionamento.
Todo ano passamos uma parte de nossas férias na casa de meus pais. Essa nossa temporada na casa deles é sempre muito esperada durante o ano inteiro, pois apesar deles morarem numa cidade pequena, sem muito que fazer, meu pai tem uma pequena chácara na beira de um lago formado por uma represa, onde eu e Alex passamos a maior parte do tempo quando estamos na cidade. O lugar é um verdadeiro paraíso do sossego. As outras chácaras são bem distantes uma das outras, e dá para ficar bem à vontade.
Como iríamos ficar apenas quatro dias na cidade, combinamos de ir para o lago todos os dias. Mas as coisas não saíram como nós planejamos. Já no primeiro dia, meus pais tiveram a idéia de fazer um churrasco. Era para ser um programa chato, mas quando meu sobrinho e seus amigos chegaram, eu vi que nem tudo estava perdido. Entre os amigos de Junior, todos eles na faixa dos 18 anos e 19 anos, um se destacava de longe. O rapaz, em pleno gozo de sua juventude, era a encarnação viva de um deus grego. Era alto e forte. Tinha um belo físico e um rosto perfeito. Seus cabelos eram longos, e como ele estava com uma camiseta branca sem manga, dava para ver seus braços fortes, cheios de tatuagens. Tive a impressão de conhecê-lo, mas pensei ser algum novo amigo do meu sobrinho. Alguém então o chamou pelo nome. Eu não acreditei que aquele era Fred, um amigo de infância do Junior, que eu não via há muito tempo. Apesar de não o ter reconhecido, de tanto tempo que eu não o via, eu conhecia muito bem a fama dele, que não era das melhores. Brigas, pegas de carro, eram infrações que não cabiam mais em seu currículo. Ele também tinha fama de “pegador”, e rolava uma história na cidade _ já viram como é cidade pequena _ que uma conhecida minha tinha se separado do marido por causa dele. No inicio eu não entendi o que levou uma mulher, com a minha mesma idade, com um casamento instável, largar tudo por uma aventura com um garoto. Depois que vi Fred, percebi porque minha amiga não tinha resistido a tentação.
Eu já tinha contado a Alex essa história de minha amiga, e mostrei a ele o protagonista da história. A primeira vez, meu marido não pareceu ter dado muita importância a essa história, mas ele agora perguntava todos os detalhes. Percebi uma pequena sombra de inveja em Alex, então contei tudo e ainda aumentei um pouco por conta. Ele concluiu nossa conversa demonstrando o que sentia: “Garanhão!? Com esse jeitinho de bicha?”. Achei melhor não levar a conversa à diante. Até mesmo porque, Alex já tinha bebido, estava um pouco alto, e a situação não era própria.
Na mesa eu não resisti em ver aquele objeto do desejo tão próximo, e resolvi pelo menos me divertir um pouco. A primeira coisa que fiz, foi na primeira oportunidade me abaixar e deixar meus seios aparecendo para nosso vizinho de mesa. Minha intenção era fazer parecer que ele tinha cometido uma indiscrição e tinha visto o que não devia. Esse ardil é infalível, os homens adoram ver algo que não podiam ter visto. Algo que é de outro homem e estava escondido. Vi que ele ficou atiçado como deveria ter ficado, mas fingi que não percebi o bisbilhoteiro.
Depois de mais algumas trocas de olhares, mostrei minha aliança disfarçadamente e me apresentei como um fruto proibido _ os homens adoram o proibido _. Enquanto ele fazia sua pose de caçador, e me olhava impudentemente, eu fazia aquela cara de mulher com medo de ser flagrada pelo marido _ algum homem resisti a isso? _. Minha tática de deixa-lo ansioso a ponto de querer me ter a qualquer preço, estava dando certo, e de onde eu estava podia sentir sua excitação. Ele passou o resto da tarde me olhando com aquela carinha de menino pidão, mas não dei mais bola para ele. Achei o máximo ele me olhando com aquela carinha de frustração.
À noite contei a Alex o que eu tinha feito. Alex riu e tivemos uma transa arrasadora no silencio da casa dos meus pais. E que transa. Quando eu e Alex transamos, eu sempre gosto de ficar por cima e controlar a transa, mas naquela noite meu marido ficou surpreso. Eu nunca estive tão dominadora e agressiva como naquela ocasião.
No ultimo dia nosso na cidade, fomos cedo para a chácara, já que naquele dia teríamos a casa só para nós dois. Coloquei um shortinho jeans, bem “surrado”, estrategicamente desfiado, que deixava parte de minha bunda a mostra, e um top branco, feito de crochê. Alex tinha me pedido para que eu descolorisse meus pêlos do corpo, e como eu tenho muitos, principalmente, nas coxas, bunda e na parte inferior das costas, e também estava bem bronzeada, meus pelinhos dourados podiam ser vistos de longe. Alex estava todo excitado e me prometia uma tarde inesquecível.
Na parte da manhã curtimos bastante o sossego e a paz do local. Depois fomos de jet-ski a um clube que fica do outro lado do lago, onde ficamos até o inicio da tarde. Quando voltávamos, ao nos aproximarmos da casa, vimos uma movimentação de várias pessoas na varanda. Achamos aquilo estranho, pois naquele dia esperávamos ter a casa só para nós dois. À medida que aproximávamos, a musica ia ficando cada vez mais alta, e a algazarra já se ouvia de longe.
Na frente da casa estava parado um carro e um pick-up. Era o Junior com mais três rapazes, e quatro garotas. Era o fim do sossego e das nossas férias também. Eles faziam a maior bagunça. Ao redor deles estava cheia de latas de cerveja vazias. A única coisa boa foi quando percebi que um dos rapazes era Fred, e mais uma vez nem tudo estava perdido.
Negociei com meu sobrinho, para que ele fosse para a beira do lago e nos deixasse com a casa. Da varanda dava para vê-los perfeitamente, já que a casa não fica muito longe da beira da água, e é num ponto alto. Ficamos sentados olhando eles se divertindo. Os rapazes pareciam disputar quem chamava mais à atenção das garotas. Eles se exibiam para elas com brincadeiras bobas, típicas da idade. Foi Alex que começou a falar em Fred. Não dei muita bola para a conversa dele, mas meu marido, com um certo ar de recalque, insistia em falar mal do rapaz, principalmente em dizer que ele tinha um jeitinho de bicha.
Meio a uma bagunça provocada por uma visível embriaguez, os rapazes vieram em direção a casa e foram para a sala. Eu e meu marido continuamos na varanda, mas como uma grande porta de vidro que liga a sala à varanda estava aberta, ficamos praticamente todos juntos. Pela cara de Alex eu sabia que ele tramava algo. Com a desculpa de estar à procura de uma cerveja, ele foi para junto deles. Meu marido tomou umas cervejas com eles, conversou com todos, menos com Fred que só o olhava com seu ar de superioridade.
Alex então começou a conversar com a garota que estava com Fred, e enquanto isso, o garoto sem dizer nada, se sentou no sofá e ficou sozinho.
Achei uma infantilidade aquilo que Alex estava fazendo, mas eu não ia ficar dando uma de tia chata e acabei indo me juntar a eles.
Entre uma cerveja e outra, todos ficaram bêbados. Inclusive eu que sou meio fraca para beber. Fiquei conversando com os outros dois rapazes e com as garotas, enquanto Fred permanecia sozinho, me olhando com seu ar de boçal. Evitei o máximo em olhar para ele, mas no auge da nossa festinha, eu e as garotas começamos a dançar, para o deleite dos rapazes, e era praticamente impossível não olhar para aquele gato, que não tirava seus olhos de cobiça de cima de mim.
Na nossa roda apareceu um cigarro de maconha. Eu nunca tinha experimentado, mas Alex não se fez de rogado e começou a fumar junto com a garota que conversava com ele. Todos ficaram chapados e bêbados. Eu não experimentei, mas estava bêbada e minha cabeça girava um pouco com aquela musica alta e com aquela fumaça toda. Eu continuava a tentar desviar meu olhar de Fred, mas não conseguia, principalmente .quando Alex foi para a varanda junto com a garota. Mas ainda me restava um pouco de lucidez. O fato de meu sobrinho estar por ali me inibia um pouco. Só quando ele foi de jet-ski, com a namorada, para o clube do outro lado da represa, que eu fiquei mais à vontade, e troquei olhares insinuantes com ele. Fred aproveitando o momento, fez um sinal me chamando para perto dele. Fiquei por um instante sem saber o que fazer, mas uma estranha força me colocou em direção a ele. Ele fez sinal para que eu sentasse do seu lado, mas permaneci em pé, e só me inclinei para escutar o que ele queria me dizer. O marginalzinho sem dizer nada colocou o cigarro em minha boca. Puxei um pouco, e vendo aquele rosto lindo de tão perto eu não resisti. Apoiei-me em suas coxas grossas e fiquei inclinada em cima dele, deixando praticamente meus seios em seu rosto. Fiquei dançando naquela posição olhando bem no fundo de seus olhos. Fred só se mexeu para levar o “cigarro” em minha boca novamente. Fiquei alucinada, tudo parecia estar em câmara lenta. Fred me pediu que tirasse o short como se me desafiasse. Eu aceitei o desafio. Tirei meu short, e só de biquíni, voltei a me inclinar em cima dele. O rapaz correspondeu com um sorriso maroto, e olhou por trás de mim. Olhei para trás e vi os outros dois rapazes se deliciando com a visão de minha bunda, enquanto suas garotas dançavam. Entendi que o safado tinha feito aquilo com aquele propósito, e sussurrei no ouvido dele: “Quer parar de me exibir para seus amiguinhos, Eu tenho dono”. Sob o olhar perplexo do pessoal que estava na sala eu sentei no colo de Fred. Quase enlouqueci ao sentir o volume de seu pau. Segurei meus cabelos para cima para que ele me beijasse e mordesse a vontade meu pescoço. Vi quando ele sorrateiramente fez sinal para seus amigos, e estes saíram com suas garotas em direção à porta, dizendo que também iam para o clube. Meu coração gelou em ficar sozinha com Fred. Minha reação foi me levantar e me afastar dele. Fiquei pensando se não tinha ido longe demais e se não seria uma boa hora para parar com aquela loucura. Pensava também numa desculpa para sair fora daquela situação. Donde eu estava, eu vi um dos amigos de Fred, antes de sair, dar uma tapinha no seu ombro e dizer:
_ Vai lá garanhão...Faz essa por mim! Deixa que eu cuido do corno! _o outro, de forma mais agressiva, completou _ Detona malandro, mas detona legal, que essa vai para história!!
Uma das garotas comentou: “coitado do cara _ no caso, meu marido _ nem sabe o que esta acontecendo!”. Fingi que não tinha ouvido, mas aquele clima de traição que estava rolando, e o fato de Alex estar com aquela garota, além de me deixar confusa, me dava medo.
Os rapazes convenceram Alex a ir com eles para o clube. Quando todos estavam na beira do lago, já entrando no barco, Fred veio em minha direção. Eu tinha que tomar uma decisão naqueles poucos segundos, mas deixei me envolver. Sem nenhuma resistência da minha parte, ele me agarrou. Suas mãos me seguraram com força. Olhando nos olhos deles, beijei de leve sua boca. Ele invadiu minha boca com sua língua atrevida. Eu bem que tentei, mas não pude resistir e trocamos um ardente beijo. Ele puxou meu biquíni para cima enfiando-o ainda mais na minha bunda. Olhei para o lado e quase morri de susto. Alex cambaleando voltava para sala. Tirei as mãos de Fred que disse: “Dispensa logo esse corno, porra!”. Os dois amigos de Fred que sabiam o que estava rolando, nos olhavam de dentro do barco como se esperassem a reação de Alex, mas vendo ele entrando sem reação nenhuma, saíram em direção ao clube dando gargalhadas e gritando alguma coisa para Alex.

Continua...

Belo exemplo de esposa de corno!

É assim que uma esposa de corno deve tratar os conhecidos, amigos, sócios e clientes do marido.


Por que é preciso tratar bem as visitas enquanto o marido está ocupado!

Sua esposa perfeita para você!

Fala a verdade: Imaginar sua esposa voltando pra casa usada dessa forma, não te deixa de pau duro?

Solução para os cornos de pau pequeno

A solução para você fazer sua esposa gozar corno!




Por que só assim para sua esposa sentir seu pinto tão pequeno!

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Ótima dica de presente de natal para sua Esposa.

O blog http://esposaputagostosa.blogspot.com postou um video, que é o sonho de natal de todo corno manso.
Um macho bem maior que você que deixará sua esposinha toda aberta. Esse é seu presente de natal, MANSO!

Para assistir ao video acesse o blog: ESPOSA PUTA GOSTOSA

Parabéns ao blog. Um ótimo conteúdo, vale a pena conferir!

Esposa ligando pro corno enquanto se diverte!

Sua esposa se divertindo na viagem de final de ano!

Nada como saber que a viagem de nossa esposa está sendo prazeirosa.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Sarro gostoso com o comedor!

O que sua mulher faz em casa enquanto você vai jogar futebol com os amigos.


Agora você já sabe por que seu amigo João não foi jogar, corno!

DICAS...

Frustração e Satisfação Sexual ou Como Conseguir a Mais Plena Submissão de Seu Parceiro na Relação D/s

Após a série de artigos sobre o matriarcado, que suscitaram muitas questões e propiciaram esclarecimentos de minha parte, mostrando como o tema é importante nas discussões dos "Desejos Secretos", iniciarei agora uma outra linha de discussão em relação à Dominação Feminina: como conseguir que o submisso apresente e incorpore em seu cotidiano, mudanças comportamentais que satisfaçam os desejos e os caprichos da Dominadora?
Essa é uma questão importante no universo da entrega do macho à Dominação Feminina. Algumas prerrogativas são muito importantes para que isso ocorra. E tais prerrogativas são inerentes às pessoas envolvidas na relação:
· Vontade bem estabelecida e consciente (determinação) de se manter tal tipo de relação (Dominação Feminina) como estilo de vida, de ambas as partes (Dominadora e submisso).
· Honestidade em seguir as regras acordadas (consenso).
· Disponibilidade de tempo para a relação (Aqui o ideal é a convivência cotidiana entre a Dominadora/submisso, que se conhece comumente por 24/7).
E, é claro, ter como princípios básicos, o que chamo de 7 pilares da Dominação Feminina - cumplicidade, confiança, coragem, obediência, respeito, lealdade, tudo isso embasado num sentimento de amor desprendido.
Essas prerrogativas são imprescindíveis para que o que o método que desenvolverei neste e nos artigos subseqüentes de abril e maio seja passível de dar prazer a ambos os parceiros da Dominação Feminina heterossexual.


P.S. Post escrito por ordem de minha Rainha Domadora de Corno, a quem este escravo pede desculpas pela demora e rende homenagem a esta maravilhosa Domme e encantadora Madame.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Corrida de Bucetas - Radar Net-chifre

Vocês já viram uma corrida de buceta?
Que tal organizarmos um campeonato?
Melhor seria  as "atletas" sem calcinha, e fazer um monte de machos de tapetinho  com as bocas para cima... humm, quero um tapete desses pra mim!


domingo, 26 de junho de 2011

Radar Net-chifre: Melhor seleção de fotos pornôs


Impossível não recomendar o blog Dinho & Minnie
O casal tem uma sensibilidade ímpar na escolha de fotos pornôs. Podemos dizer que chega a ser um pornô-artístico (não sei se este gênero já está reconhecido, mas eu chancelo então! .. rsss).

Para quem tem tesão em boas fotos, ai vai a dica da Domadora: http://dinhominnie.tumblr.com/

sábado, 25 de junho de 2011

Chifre inflamado


Esse corno português publicou  no youtube uma homenagem aos cornos brasileiros.

E quem diz que em Portugal não há mais cornos que no Brasil?

Corno é corno, seja aqui ou ali... e eles amam sua galhada!
Seja como for, os cornos brasileiros agradecem a homenagem!

Agora quero saber:  As esposas portuguesas sabem meter chifres mais gostosos que as brasileiras? 
(responda abaixo nos comentários)



quinta-feira, 23 de junho de 2011

Radar Net-chifre: Porrada é pra lamber, não é pra dar

Meus caros leitores, escolados na cornitude, ensinem pra esse cabra de chifres esquentados como curtir a noitada da esposa sem pegar cadeia.



Dando um rolê na web, encontrei esta história real, a redação é bem hilária, vejam:


segunda-feira, 25 de abril de 2011


ESTÓRIA DE CHIFRE 

Euclides  dos Santos foi preso pelo cabo Viana, que comandava a
equipe da Viatura 1680 da 14ª Companhia Interativa Comunitária
MULHER INVOCA JUDAS E APANHA DO MARIDO
Era quinta feira, véspera da Sexta Santa em Manaus na rua Domingo Alvarez, bairro Tancredo Neves. O vendedor ambulante  Euclides Santos Alves 27, e sua patroa Fabiana Oliveira 25, curtiam juntos no ninho a filhinha que brincava com o casal.
Foi que apareceu uma enviada do demônio, ou talvez mandada por Judas Iscariotes inventor das traições desse mundo cão, bateu na porta do casal e numa conversa de pé de ouvido convidou Fabiana para irem sair pelo bairro de repente num passeio vespertino.
Euclides então ficou cuidando da bebê enquanto a patroa saiu com a amiga cheia de acendume, vestida com um uniforme de piriguete pelo bairro, rumo da casa de outra amiga que vestiu Fabiana e se tacaram no rumo de um forró mela-cocha do rabo de vaca na Zona Leste e a fuleragem começou.

Fabiana apertou um copo de gelada, dois, três e se atracou com um mototaxista pávulo recém chegado do Pará e no ritmo do Rabo de Vaca dançaram a noite inteira, depois rolou mais gelada, esbruga, e por fim o chifre propriamente consumado.

O dia vinha clareando o mototaxista libera Fabiana perto de sua casa e pega o beco. Foi que ela esfregando os olhos e limpando resto de batom, se arrumando toda bate na porta, foi entrando e a peia cantando, Euclides desceu a mão com vontade, rápido chegou os home e grampearam o corno na Lei Maria da Penha e xilindró no pai de família inocente.
Euclides passou a sexta feira santa no xilindró injustiçado que nem Jesus pregado na cruz.
Relatos de fatos reais publicado no Portal do Holanda.


Fonte: Publicado em http://zezoferreira.blogspot.com/2011/04/estoria-de-chifre.html#more

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Radar Net-chifre: Depois do chifre, BDSM é sensação no SPFW

O BDSM foi a sensação no desfile do São Paulo Fashion Week/2111.
O Estilista Samuel Cirnasnck colocou as modelos amarradas, num bom bondage. O fetiche ganha a moda e se revela muito mais na alta dos desejos, do que escondido no tabu de outrora.


As modelos com saltos altos vieram com mordaças arrematadas em laços, além de cordas que prendiam as cinturas e braços das modelos.
A bloguista de "A Cadelinha no país das Maravilhas" adorou. Ela disse que não segue "modinhas" e "tendências" mas achou inusitada e extremamente ousada a ideia do estilista.


Glória Kalil fez uma leitura mais feminista e menos fetichista, repudiando a imagem da mulher amarrada:
Acho que as mulheres não gostam de se ver de mãos amarradas, de boca encabrestada e cobertas por véus. Essa imagem já deu muita briga e até mesmo guerras. Uma sugestão de fetiche pode ser estimulante, divertida e interessante, mas um desfile inteiro é pesado e vai ficando aflitivo – sai do fetichismo para entrar no opressivo. Uma mão mais leve teria ajudado a performance que Cirnansck inventou para sua passarela e teria deixado a moda mais evidente. Moda essa que teve coisas boas como os vestidões de festa e de casamento, que Samuel faz tão bem“, disse Glória Kalil. (fonte: blog Casar Bem )

O site da Ego destacou o burburinho que o estilista causou: "Você perde a liberdade, os movimentos. Dá um pouco de agonia, mas foi bem bonito o desfile", opinou a modelo Camila Mingori, que desfilou com as mãos atadas para trás.

O G1 trouxe a melhor seleção de fotos do desfile de Cirnasnck.  Mostra com detalhes a ousadia dos vestidos de noiva, esbanjando em transparência de bunda, seios e coxas. Imperdível! Segundo o G1, as modelos amarradas foram um dos principais assuntos do twitter naquele dia.


Em 2008, a vez foi dos cornos ganharem as passarelas do SPFW, causando polêmicas (Blog O Estadão )

terça-feira, 21 de junho de 2011

Radar Net-chifre: Pérolas do orkut

Quem pensa que ser corno é ser qualquer um, está bem enganado.
Os cornos têm vários clubes e até carteirinha.
Dei um rolê pelo orkut e encontrei alguns perfis bem interessantes, como este do  CLUBE DOS 3 CORNOS. Dizem ser um "fundo de assistência ao corno abandonado".
Eles editam no orkut um jornalzinho periódico manuscrito, chamado "O berrante" e têm até logomarca, veja que chique:


perfil http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=8220339442916102749

Sobre CLUBE3C-fundo de
somos o 3c(clube do corno conformado)temos a nobre causa de que todos os cornos do mundo se conformem com sua cornitude.segue abaixo os requesitos para se associar no clube:
1-SER CORNO ASSUMIDO,CONFORMADO E TER PERDOADO SUA AMADA.
2-DECLARAÇÃO DO RICARDÃO RECONHECIDA EM CARTÓRIO,COMPROVANDO QUE VC É O TRAÍDO QUE DIZ SER.
3-FOTO DA SUA AMADA COM O RICARDÃO E DEDICATÓRIA PRA VOCÊ
4-INDICAÇÃO DE UM SÓCIO QUE SAIBA DA SUA HISTÓRIA GALHAL
5-HISTÓRICO HEREDITÁRIO DE CHIFRES,PARA HOMOLOGAÇÃO DE TÍTULO DE NOBRESA GALHAL
6-CONTA CONJUNTA COM SUA AMADA E O RICARDÃO
7-SABER A LETRA DE PELO MENOS TRÊS "CORNOMUSIC'S"
8-FAZER JURAMENTO PERANTE OS MEMBROS DO 3C DIZENDO QUE NUNCA IRÁ SE REVOLTAR CONTRA O RICARDÃO
9-SABER A ORAÇÃO DO CORNO, E
10-RELATAR SUA HISTÓRIA PERANTE OS ANCIÃOS DO 3C PARA A CLASSIFICAÇÃO DO SEU TIPO DE CORNO,EXEMPLO:
CORNO PORCO:SÓ COME O RESTO
CORNO BATERIA:QUER UMA SOLUÇÃO
CORNO IÔ-IÔ:VAI E VOLTA
CORNO 120:PEGA A MULHER NUM 69 E VAI TOMAR UMA 51
CORNO SORRISO:FICA RINDO DOS OUTROS TIPOS DE CORNO

Radar Net-chifre


Inauguro nova coluna no meu blog é o Radar Net-Chifre.
Nesse canal você vai encontrar o que rola na web no mundo da cornitude,
o que esta Domadora de Corno viu por ai, gostou e anotou.

Fique antenado neste canal!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Curso de Etiqueta de praia para Esposas de cornos


Se você pensa que mulher de corno pode ser qualquer uma, está muito enganado.
Para garantir os gemidos de prazer do marido cada vez que põe um novo chifrinho, dá um trabalhão e precisa de técnicas.
Uma boa mulher de corno está sempre ligada nos mínimos detalhes de cada gesto seu em público.

Vejam este post do blog Pés e Cornos, é um verdadeiro curso de etiqueta de praia para esposas.


Rei do sexo oral

Os homens vivem a medir o pau. Agora me digam: e sua língua, como está?
Já mediu?


Eita! Essa língua entra embaixo e chega  na boca pra um beijo de língua!
Heheh só podia ser o rei do sexo oral!

domingo, 19 de junho de 2011

Papo sério com Corno: driblando preconceitos

Neste blog agente ri, se excita, se diverte de montão mas... falamos sério também.

 A principal razão que tive ao abrir este blog foi para diminuir os preconceitos  que a sociedade tem com os cornos e também ajudar muitos homens que descobrem ter esses desejos e não conseguem entender o que se passa com eles; e muitas mulheres para que possam compreender mais um marido cuckold e tirar disso um imenso e delicioso prazer para ambos.
E com isso vamos redescobrindo juntos o que é mito ou verdade no fetiche cuckold.



É gratificante ler depoimentos que recebo por e-mail, como este do Mineiro FS que publico abaixo, nos dando conta de que o modesto trabalho do blog Domadora de Corno está cumprindo seus propósitos e ajudando muita gente a se compreender melhor.

Penso que o primeiro passo é observar que, tanto no Brasil como em Portugal, temos uma criação tradicionalmente machista com resquícios burgueses; a  qual, dentre outros diversos valores,  impõe aos homens que cobrem fidelidade de suas mulheres e que as mantenham em permanente vigilância para que nunca se deitem com outro. (Continua - clique abaixo para prosseguir)

sábado, 18 de junho de 2011

THE CUCKOLD, o filme



Esposa loira, escrava de um negro.... Uauuu e que negro! Quero um desse pra mim!

Obrigações do Corno enquanto a esposa curte gostoso

Cornos de plantão e com insônia, caneta na mão e papel bem grande e vão anotando a listinha de suas obrigações para manter a cornitude em boa forma.
Sim, esta é sua lição de casa enquanto você aguarda, pa-ci-en-te-men-te, sua mulher chegar do motel.
Afinal, ela tem muito mais o que fazer do que se preocupar com as tarefas que são suas, claro!


Depois, coloque a listinha na porta da geladeira para você decorar, e sempre rever se está se esquecendo de algo.
Implore para sua mulher lhe fazer chamada oral todos os dias,  e, óbvio, com o chicotinho e uma palmatória na mão, para lhe dar umas lambadas cada vez que você esquecer de algo. 
Mulherada, não é para dar moleza para eles não!  Põe ele de 4 e desce o chicote sem dó!

Compromisso do Corno:

1) Ajudá-la a encontrar namorados;
2) Receber seus namorados em casa;
3) Preservar sua imagem perante a sociedade;
4) Aceitar que ela realize todas usas fantasias sexuais;
5) Aceitar que ela decida se transará com ou sem camisinha com seus namorados; (sem camisinha JAMAIS! sexo seguro faz bem pra saúde e pra tranquilidade tb)
6) Nunca pedir exame de paternidade;
7) Ser pai de todos os seus filhos;
8) Ser seu amigo, amante, cuidar dela e fazê-la feliz;
9) Registrar seus momentos de prazer para depois assistirmos juntos.
10) Aceitar que ela receba seus amigos em nosso quarto;
11) Pôr isolamento acústico no quarto;
12) Presenteá-la com roupas sexies;
13) Deixá-la se exibir para quem ela quiser;
14) Nunca interromper uma foda dela;
15) Ajudá-la a se manter sempre gostosa;
16) Entendê-la sempre que ela precisar chegar mais tarde do trabalho;
17) Comprar camisinha para ela;
18) Incentivá-la a ser caridosa e iniciar homens adultos ainda inexperientes.

Cornos e mulheres de corno, anotem nos comentários abaixo, quais outras tarefas que ficaram faltando nessa lista.

(Essa lista extraí do perfil de Diego Corno Voyeur no orkut. Adorei e faço minhas homenagens a esse corno bem inspirado).

terça-feira, 14 de junho de 2011

O corno só come as sobras

Quem vê rápido pode pensar que ele é um comedor. Mas não é não!
Ele é corno mesmo! E como não tem esposa, ele vive de comer as sobras dos outros.
Você vai se divertir com esse sanfoneiro, bem no estilo nordestino mas com sotaque português que o deixa bem mais hilário.
E você corno, que está sem mulher, pode até se inspirar nesse vídeo e ver que dá pra ser como ser um corno solteiro e viver bem com as sobras dos amigos.
Confira:

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Músico português dedicado ao corno

Este vídeo foi enviado pelo leitor tuga, o Corno Uz, que virou corno porque a mulher mandou ele se acostumar com os chifres na cabeça.
Ele gostou tanto da coisa, que agora vive a buscar coisas pra lustrar sua galhada.

(veja a história real do Corno Uz nesse post com fotos reais da mulher dele: http://domadoradecorno.blogspot.com/2011/06/esposa-safada-fez-ele-gostar-de-ser.html )


domingo, 12 de junho de 2011

Esposa metendo chifres no corno por atacado

Há sugestão melhor de presente para o dia dos namorados, do que esta do video abaixo, onde a esposa se diverte com vários negros na frente do corno?



Eu amaria ganhar esse presente hoje da minha rainha Domadora de corno. Dá esse presentinho pra mim amor? Prometo que em troca lavo a louça do mês inteiro.

sábado, 11 de junho de 2011

Uma mulher de corno das boas

Essa sim sabe como ninguém fazer a felicidade de seu corno. E não perde tempo! hehe


A charge foi publicada no blog Infinito Prazer de Ser Corno, de um cornão que sabe curtir bem a vida.
Republiquei. Abraços ao amigo do blog.

sexta-feira, 10 de junho de 2011

Um vídeo cuckold pra aquecer

Humm... esse negro fode que é uma delíiiiicia! Esse vai pra minha listinha de desejos.


Hummm... o corno beijar meus pés enquanto um negro delicioso desses me fode... não tem preço!
Repare que balanço delicioso esse macho tem...

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Video para inspirar minha Domadora

Um video para deixar minha Domadora com água na boca...


Quem sabe ela não acaba tendo mais uma maravilhosa idéia e me coloca mais um chifre delicioso!?!?

Dominador brasileiro

Após a publicação do anúncio do dominador português, um brasileiro dominador BDSM também pediu publicação para fazer a felicidade dos cornos brasileiros. 
Ele mora no Rio.

EDU escreveu: 
Tenho 42 anos, estou a trabalho a dois anos no Rio de Janeiro, bom nível social e intelectual.Procuro mulheres bonitas, sexys, que queiram cornear os dignissimos maridos, com ou sem a presença dos mesmos. Tenho experiencia em sair com casais em que o marido gosta de fazer o papel de voyer. Tenho certos fetixes que poderão apimentar o encontro, por ter experiencia com sadomasoquismo. No mais, é tudo pelo prazer, e para o prazer.
Seu contato é muito-fera@hotmail.com

Notem: Não o conheço pessoalmente. Por isso não posso fazer recomendações.
As fotos são reais dele.


Veja também o anúncio do Dominador português. 

Dominador quer dominar ela e humilhar o corno

Que tal uma pitada de BDSM com um fodedor dominador experiente?


O dominador é de Lisboa, e procura casais cuckolds que queiram viver uma experiência BDSM. Ele quer fazer ela de escrava e humilhar o corno, como só um dominador experiente sabe fazer tão bem.




Ele entrou em contato comigo e pediu para eu publicar este anúncio. 
Notem: eu não o conheço pessoalmente, por isso não faço recomendações.

O dominador tem 43 anos, licenciado, bem falante, simpatico, com 1,73m, 80kgs, e um dote de 21x5cm, bem disposto, quer mulher de corno submisso, que esteja  disposta, com classe e com muitas aventuras para realizar. Interessados, escrevam para Domlx@hotmail.com. Vocês podem conhecer mais dele também no facebook, seu nick é Dom Ricardo http://www.facebook.com/dom.ricardo1 
Os cornos felizardos têm uma obrigação: voltar aqui neste post e publicar nos comentários como foi a experiência.

Veja também o anúncio do dominador brasileiro

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Esposa safada fez ele gostar de ser corno

Ela meteu-lhe os cornos sem dó e disse:
-  Você vai ter que conviver com os cornos na cabeça!
(As fotos são reais da mulher do Corno Uz)


O leitor Corno Uz escreveu orgulhoso de seus belos chifres, contando como se tornou um corno.
Ele tinha em casa uma mulher bem safada e nem desconfiava. Mas como uma autêntica mulher de corno, ela soube fazer ele gostar da cornitude e levou ele a experimentar o tesão nas alturas que só sabe o sabor disso quem já provou a buceta da esposa depois dela fuder com outro macho.
As fotos são reais, da mulher dele (bem deliciosa e gostosa, por sinal). Vejam o que ele nos contou:

Corno Uz diz:
Aqui em portugal, ser corno manso não é bem visto por toda a gente.

No meu caso, ser manso não foi uma opção minha, mas sim uma imposição de minha querida esposa.
Tudo começou quando descobri que minha esposa me corneou com um colega de trabalho. (continua noutra página, clique abaixo)

terça-feira, 7 de junho de 2011

Fantasias da Domadora de Corno





Meus leitores morrem de curiosidade sobre minhas fantasias.

Vou revelar aqui alguns de meus desejos secretos e minhas artes picantes.

E claro, vou relatar uma trepada deliciosa dei.











Mulher de corno que se preze deve ter como atributo primordial a criatividade. Sim, muuuuita criatividade, além de ousadia, é claro. Há sempre que inventar mil e uma formas novas para manter seu corno em alta temperatura de tesão.
Então sou ousada, debochada, e busco sempre um jeito novo para esculachar meu corno e, claro, sempre com requinte. Afinal, o requinte é o tempero perfeito para uma putaria de alto nível, sem deixar cair na vulgaridade.
Entrei no cio naquele dia, e quando isso acontece, meus miolos criativos se aguçam, e "coitadinho" do meu corno, ele é sempre a primeira vítima de meus caprichos. Tortura psicológica é minha arma preferida. Decidi que ele precisava de algo que lhe desse vergonha, e que o obrigasse a fazer algo que nunca tinha feito antes e só depois ele poderia ter o que ele queria: o seu prazer.
Peguei meu corno de surpresa, em meio a um dia cheio de tarefas (dia que escolhi a dedo, é claro). De repente apareci na frente dele vestida de domme, com salto de metal, e bem provocante. Ele logo deu um sorriso malicioso e tentou me tocar nas coxas e bunda... mas não deixei. Peguei ele com  firmeza pelos cabelos e trouxe os ouvidos dele até minha boca e disse bem baixinho e firme:
- Arruma já um macho pra me comer. Você tem no máximo 20 minutos! Se não conseguir, vai ficar um mês sem sexo e com cinto de castidade para garantir que nem uma punhetinha você consiga dar durante um mês inteiro.
O pau dele ficou duro instantaneamente. Ai eu disse a ele:
- Não pode ser ninguém que você conheça, nem que eu conheça, nem que já tenhamos tido algum papo mesmo que virtual. Um estranho completo. E mais, você não pode pagar,  garoto de programa não vale.
E se eu não gostar do cara, você vai ficar um mês com cinto de castidade. Então trate de selecionar um macho que eu curta.
Detalhe: o corno iria me levar vendada para o motel, servir de motorista, colocar o macho no nosso carro, para ir comigo no banco de trás me chupando até chegarmos no motel. Ele deveria se comportar a todo tempo como apenas um serviçal motorista, e só poderia entrar no quarto SE eu deixasse, e QUANDO eu autorizasse. Afinal, empregado de madame só cumpre ordens, e é isso que o corno seria naquele dia um mero "empregado de madame".

Hummm... que de-lí-cia!!!  Foram os 20 minutos de espera mais excitantes da minha vida. Meu tesão subiu na estratosfera só de imaginar o que iria rolar naquela noite. E, de minuto em minuto eu chegava nele para fazer pressão, dava-lhe umas chicotadinhas e perguntava: já arrumou? Ele dizia "não", e então descia-lhe o chicote mais forte.
- Mas calma... os caras ficam com medo de embarcar numa fantasia louca dessas, assim de repente e tão rápido, me dá mais um tempo... - dizia o corno e eu respondia firme e seco:
- Não. Te vira. É problema teu, não meu.

O corno dizia que, para ele, procurar homem para sexo era o ponto mais difícil. "Vou chamar um homem pra fazer sexo... que coisa louca! Nunca fiz isso". E era exatamente isso que eu queria, que ele passasse vergonha e ele mesmo ter de pedir a um homem que venha comer sua mulher, ou melhor, a sua mulher que é a sua madame e patroa desse reles serviçal.
E quem é cuckold bem sabe... quanto mais é submetido à vergonha, mais tesão os cornos ficam. 

O corno conseguiu cumprir sua tarefa, embora com 10 minutos de atraso, mas fui uma rainha generosa e deixei passar, porém... ai dele se eu não gostasse do cara!!!
Não dei mole nem pro fodedor. O comedor tinha barba, ai eu disse que só o aceitaria se ele fizesse a barba e bem feita, com rostinho lizinho igual bundinha de bebê, senão nada feito. A barba feita não poderia me arranhar nem de leve... E lá foi o corno a tentar convencer o cara a tirar a barba.
O fodedor acabou topando e cumpriu sua tarefa. Tirou a barba que cultivava há anos.

Sai de casa vendada, no banco de trás do carro, só em trajes íntimos dignos de uma domme. O corno foi de motorista de madame, parou no local marcado, e o fodedor entrou no banco de tras do carro para se deliciar com o seu prêmio da noite (euzinha!).
Foi uma delicia... sem poder ver nada, comecei a conhecer o corpo do macho inteirinho só com as mãos. Enquanto o corno dirigia até o motel, e só podia ouvir estalos de beijos, chupadas, gemidos que eu e o fodedor trocávamos em alta temperatura e furor no banco de trás.

A experiência foi eletrizante e indescritível. Meu tesão foi muito mais alto do que de costume. Senti-me uma perfeita fêmea, entregue totalmente a meus instintos, sem pudores, sem nenhuma barreira. Naqueles momentos eu era tão-somente uma fêmea no cio sentindo prazer, dando prazer, buscando prazer.
O fodedor foi deliciosamente ótimo em tudo. Desde seu comportamento elegante, até nos detalhes mais sórdidos de prazer.
Quando tudo terminou, tirei a venda dos olhos, e pude ver que rapaz lindo e gostoso estava lá na cama comigo. Ele estava em êxtase por ter participado de uma fantasia tão inusitada, num dia em que ele menos esperava. Não aguentei segurar e começamos tudo de novo.
O corno reclamou dizendo que o combinado era eu não tirar a venda em momento algum.
Olhei firme para o corno e disse:
- Xiu! Aqui é você quem obedece, corno! Vá lustrar a lataria do carro que eu quero ela brilhando para quando eu decidir sair daqui.
Enquanto dizia isso, estava eu nuazinha, em pé, rebolando com a bunda na pica do macho, que me abraçava por trás e mordiscava minha nuca, preparando para recomeçar aquela trepada inesquecível.

Isso deixou meu corno de pau duríssimo, com combustível sexual inesgotável para mais de 20 dias seguidos!
Cada vez que ele me via, ele lembrava daquela noite e seu tesão já subia a mil.




Recadinho aos machos para o corno ler



Agora estou indo depilar. Vou deixar minha buuceta li-si-nha... como veio ao mundo.

Em 1 hora, estarei prontinha.
Mas não é para o corno. É pra um fodedor morder.

Esta loba está no cio estes dias, com febre nas entranhas, 
tão molhada que chega a gotejar por onde passa.

As portas do meu harém de machos está aberta para inscrições.

Símbolos cuckold

Participe do blog

Envie suas fantasias, suas histórias, dúvidas, sugestões e pedidos de aconselhamento. E acompanhe minhas dicas neste blog.
E-mail: domadoradecorno@gmail.com